Blog do Cantar-Te - Cantar-Te

Ir para o conteúdo

Menu principal:

O que a música faz por você

Publicado por Hearing Guardian em Gifs · 16/3/2015 20:10:11
Tags: Música





O que Aprendo Com O Livro de Atos dos Apóstolos

Publicado por MV em Devocionais · 24/2/2015 21:14:59
Tags: Atos


Existem neste instante alguns milhões de pessoas sobre a face da Terra que se dizem cristãos. Alguns deles hostilizam crianças também crentes, mas de um tipo diferente, quando estão indo para a escola. Os pais dessas colocam bombas dentro dos restaurantes daqueles, matando indiscriminadamente. Alguns cristãos demonstram ser movidos por ódio, muitas vezes mais por outros cristãos do que por qualquer outra coisa. Alguns cristãos ordenam guerras, massacres, embargos econômicos, freqüentemente afirmando estarem obedecendo ordens diretas de Deus, ou servindo a Ele. Sobretudo, milhões de cristãos hoje estão sonegando, mentindo, tratando abusivamente seus cônjuges, seviciando seus filhos, trapaceando, ignorando o sofrimento alheio e destilando egoísmo nas mínimas atitudes.

Para qualquer um que dê uma passada de olhos nos evangelhos, a coisa é muito, muito desconcertante. O que é ser cristão, afinal de contas? Seguidor de Cristo? Cristo agiria assim? Esse negócio funciona?

Olhando friamente por esse ângulo, a impressão mais ou menos generalizada é a de que o cristianismo é factível para alguns poucos que nasceram com sangue de barata, com uma predisposição genética para a espiritualidade, para a compreensão, para o desapego a preconceitos, rancores e ódios antigos. O cristianismo teria funcionado com Jesus e com mais meia dúzia. Uns Francisco de Assis, Madre Teresa, Martinho Lutero. Só.

O livro de Atos me mostra uma coisa bem diferente. Ele mostra como o cristianismo realmente funciona. Ele mostra pessoas que havia menos de dois meses estavam disputando entre si quem teria o cargo mais elevado no ministério do governo terrestre de Cristo, agora vendendo tudo o que tinham e dividindo, pregando com destemor, entregando-se confiantemente a martírios, privações e perseguições.

Como teria sido a vida de Pedro? Teria sido boa. Ele seria pescador até ficar velhinho, criaria seus filhos à beira do Mar da Galiléia e morreria acreditando estar salvo por ter obedecido à risca os ditames dos fariseus. Morreu crucificado de cabeça para baixo. Mateus teria sido um homem riquíssimo, continuando em seu trabalho de coletor de impostos, alheio aos intensos conflitos religiosos que falam de coisas como culpa, necessidade de perdão, etc.. Morreu a fio de espada na Etiópia. Paulo teria sido talvez o sumo sacerdote. Decapitado. Entretanto, cada um desses escolheu voluntariamente esse destino e em troca recebeu a graça de poder descansar a cabeça ao travesseiro sem a angústia de uma vida vazia, e também a graça de sob cada tormenta sentir uma paz divina preenchendo-lhe o coração. E isso, sem contar no que ainda está por vir.

O livro de Atos me mostra o que Cristo quer fazer em mim e na minha igreja, mostra que não apenas quem O conheceu pessoalmente e O ouviu pregar no monte pode experimentar uma transformação plena e profícua. Mostra que isso está ao alcance de todo tipo de gente e que lançar-se nos Seus braços é um imperativo que Ele nos dá.

O livro de Atos espanta qualquer forma de conformismo que eu possa querer ter com a situação atual da igreja e com a idéia de que ser um cristão é qualquer coisa. Me diz que ser um cristão vai muito além de freqüentar a igreja, ouvir um sermão entre bocejos, e continuar vivendo para si próprio. Me diz que conhecer a Jesus e submeter-se a Ele pode me levar a lugares aonde eu não gostaria de ir, e a ser tratado pelas pessoas de forma que eu não gostaria de ser tratado. Enfim, me diz que há um alvo muito elevado para mim, que lançar-me nesse caminho significa vencer pequenas e grandes irritabilidades, pequenos e grandes deslizes e costumes, pequenos e grandes interesses, mas diz que isso é plenamente possível pelo poder dAquele que morreu para fazê-lo real.

O livro de Atos me diz que há uma escolha a fazer neste instante. Nessa escolha, meio sim é um inteiro não.




5 Fatos Interessantes Sobre a Audição

Publicado por Hearing Guardian em Informativos · 24/2/2015 18:54:23
Tags: Audição





A Graça Como Ela É

Publicado por mv em Devocionais · 3/2/2015 22:32:33
Tags: Graça



Ele é um daqueles personagens sem muitas glórias para contar, que ficam escondidos nas histórias bíblicas. A forma mesmo como aparece pela primeira vez é trágica: aos cinco anos, Mefibosete sofre um acidente que lhe deixa deficiente das pernas para o resto da vida. (II Samuel 4: 4).

Com a morte de Saul, toda a sua descendência andava temerosa. Embora sabendo que Davi era um homem justo e temente a Deus, não faltavam pessoas – aqueles bajuladores de plantão – prontos a acabar com a descendência de Saul para “agradar”o novo rei, tanto que Isbosete, um dos filhos de Saul, foi morto justamente por essa causa (II Samuel 4:8). A sensação para a família de Saul é que muitas cabeças iriam rolar, literalmente...

Mas ao invés de aproveitar a oportunidade para vingar-se da família cujo patriarca passara a vida inteira perseguindo-o, Davi permanecia fiel a promessa que fizera a Jônatas, filho de Saul, de que jamais levantaria a mão contra um descendente seu. Por isso, depois de vitorioso, no auge de seu poderio, Davi ainda lembrava-se da aliança que fizera com seu amigo, e certo dia inquietou-se: “Resta ainda, porventura, alguém da casa de Saul, para que eu use de bondade para com ele, por amor de Jônatas?” (II Samuel 9: 1).

Havia. E quem era? Mefibosete! O curioso é observar que, originalmente, ele se chamava Meribe Baal (I Crônicas 9: 40), que significa “combatente contra Baal”. Ele nascera para ser um herói corajoso! Mas agora se transformara apenas em Mefibosete, que significa “propagador da vergonha”. A queda de seu avô Saul o arrastou para a miséria, a ponto dele considerar-se a si mesmo com um cão morto (II Samuel 9: 8). Então eu penso em quantos filhos que nosso Deus destinou para a luta, para a batalha pelo bem, para a vitória sobre os males deste mundo. Mas estes filhos acabaram sendo arrastados pela miséria de outros, caindo tanto ao ponto de serem apontados como “propagadores da vergonha”.

Mas o fato de algumas pessoas abandonarem a verdade, não significa que a Verdade desvaneceu, nem que vamos cair também, traindo o destino para o qual Deus nos reservou: o de combatentes caminhando para a vitória certa. E quando alguém cai, onde pode ser encontrado? Certamente não perto da glória.

“Onde está?”, Davi perguntou. E seu servo foi achar Mefibosete num lugar chamado Lo-Debar, que significa “sem pastagem”, “que não é nada”, “é sem valor”. “Onde estás?”, perguntou Deus a Adão logo após sua queda. E foi achá-lo encolhido e com medo por entre as árvores. “Onde estás?”, pergunta Jesus ainda hoje quando nos afastamos de Seu convívio. E a resposta nunca aponta para um lugar agradável. Longe da companhia gloriosa de Cristo, podemos até encontrar refúgio, mas não em algo que tenha real valor.

Imagino a cara de Mefibosete quando foi procurado pelos servos de Davi. Ele deve ter ficado mortalmente assustado. O que o Rei poderia querer com ele, descendente de um homem que o combatera a vida inteira? Mas ao encontrar-se com Mefibosete, Davi disse aquilo que Deus sempre diz quando quer ganhar a confiança de um pecador: “Não temas!” (II Samuel 9: 7). Embora naquele momento Mefibosete representasse a própria miséria, Davi usou de bondade e misericórdia para com ele, por que é justamente a fraqueza que atrai a graça. Aquele homem, deficiente, representante da derrota e da maldade de seu avô Saul, foi recebido com amor, reconduzido a uma vida digna e passou a se alimentar na mesa do Rei.

Bem, você pode imaginar que para o padrão da época e mesmo de hoje, Mefibosete não fosse considerado pelas pessoas exatamente um enfeite para mesa real. Mas Davi o amava, porque via nele traços de seu amigo Jônatas.

Qualquer semelhança com a graça de Deus não é mera coincidência. É quando reconhecemos nossa fraqueza e feiúra espiritual, que Deus é atraído para transformar-nos, e “nos faz assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus, para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco...” (Efésios 2: 6 –7).

É quando não temos nada para barganhar com Ele, quando percebemos que todas as nossas boas obras e lista de regras bem cumpridas não são suficientes para encobrir nossa condição miserável, que podemos entender a Sua maravilhosa graça: não temos nada em nós que nos justifique, mas Ele vê em nosso ser traços de seu filho Jesus Cristo, e pela aliança firmada na cruz, nos ama infinitamente e está disposto a nos buscar aonde estivermos.




A perda auditiva e a sua saúde

Publicado por Hearing Guardian em Informativos · 13/11/2014 19:19:48





Voltar | Avançar
Nós no Facebook
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal